Lugar de Criança é na Rua

by Geomangio

Retirada a aprendizagem formal que hoje se concentra nas escolas e universidades, poucos são os espaços para aprender a conviver. Os espaços informais, para aprender temas específicos, são muitas vezes espaços de rede, temporários e descompromissados de relação.

Em espaços de comunidade costumava-se brincar na rua, na praça, no espaço público. Embora isso aconteça em alguns lugares, em outros “rua” é a denominação genérica de espaço público perigoso, sem segurança e onde todos, especialmente a criança, está em risco.

No formal, o espaço que é público de aprender está concentrado nas quatro paredes da instituição escola. Perde-se muito com isso, é claro, mas em cidades onde tememos a “rua”, lugar de criança não pode ser outro senão os seguros espaços escolares.

Seguro porque é onde muitas vezes tem comida, tem abrigo e tem suporte de outras pessoas. No mundo fora da instituição sobra o caos de “rua” e gente se protegendo em shoppings e condomínios fechados.

A institucionalização da nossa vida está de mãos dadas com a privatização dos espaços públicos, tanto de um modo geral como nos espaços de aprender.

Em vez de melhorar a escola, devemos colocar esforços para melhorar a rua. Nesta se aprende sem currículo, sem condução. Se aprende porque gente aprende em relação.

Assista

Get My Articles on Your Email!

Signup now and receive an email once I publish new content.

I will never give away, trade or sell your email address. You can unsubscribe at any time.

4 replies
  1. Eliane Dorgam
    Eliane Dorgam says:

    Maravilhoso, isso mostra que temos muitas saídas, para o abismo no qual estamos. Eu brinquei muito na rua na cidade de São Paulo, na época que podíamos fazer isso, sem risco de sermos sequestrados etc…
    E até hoje percebo a diferença que isso fez a na minha vida, porque quando aprendemos a compartilhar, como pular corda, brincar de roda,….. a superar desasfios, como subir em árvore, pescar com meia da mãe, ….na infância, levamos isso para a vida toda, sabemos que podemos fazer muitas coisas e não temos medo, porque se errou a brincadeira, começamos de novo e nos divertimos muito.
    Parabéns pela matéria, o Tião é uma inspiração.
    abrs
    Eliane

    • Augusto Cuginotti
      Augusto Cuginotti says:

      Oi Eliane!
      É isso mesmo – e tem bastante gente, no Brasil e fora, trabalhando para que existam espaços públicos saudáveis. Precisamos deles para acabar com a muleta de aprendizado que são os espaços restritos das escolas e universidades.
      Grande abraço!

  2. Fabiana Braz
    Fabiana Braz says:

    Nossa! conexão com minha vida. Acabo de voltar de uma viagem ao Vale do Capão – Chapada Diamantina pude apreciar uma outra forma de aprender sobre mundo com meu filho de 1ano e 9 meses. Passamos menos de uma semana em um camping. Nesse tempo, em momento algum ele tocou nos brinquedos que levamos, muito menos me perguntava sobre desenhos animados ou outras tecnologias. Aprendia e brincava com a vida, com o vivo. Inclusive lá tem uma escola comunitária que as aulas são ministradas por artistas (circenses, músicos, artesões, etc) fiquei curiosíssima para vê-la em funcionamento. Gú, precisamos trazê-lo a Bahia. Temos espaços de aprender que você vai gostar de conhecer. Ah! lembrei tanto de você no dia 15/12. Abraço de urso por essa e outras passagens de ciclos. Saudades.

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] CLIQUE AQUI e leia mais Share this:ImprimirTwitterFacebookEmail […]

Comments are closed.