dos Flintstones aos Jetsons – educação iaba-daba-doo

by Augusto Cuginotti

Estou com visita do Brasil por aqui e veio uma revista Veja na mala – que pena saber que meus conterrâneos continuam tão mal servidos. Além das revistas legais que tem coisas interessantes – agora estou lendo essa aqui [resurgence.org] – gosto mesmo das toscas que mostram que tem muito trabalho ainda a ser feito.

Eu sei que muita gente trabalha para usar novas tecnologias na educação, conversei com umas mil nos fóruns de educação, FSM, e nas escolas mesmo – e todas tem seus motivos e crenças. Tá, mas eu acredito que mais tecnologia só enche o saco (tava precisando desabafar!), incrível como se planeja evoluir o modelo de educação do século XIX para o XXI como se estivéssemos mudando o canal dos Flintstones para os Jetsons.

imagem1

Esse modelo é de especialistas ouvidos pela revista, que espero sejam especialistas em tecnologia, porque se for em educação…

Eu sei que existem todas as ressalvas – inclusive na reportagem – que a tecnologia é apenas um caminho, um meio, um auxílio, bla bla, mas o que se gosta mesmo é de controle remoto na sala de aula enquanto o processo de aprendizagem continua igual. Tem mãe de criança no primário que quer ver é sala com smartibórdi.

Eu acho que a apaixonite tecnológica na educação é uma muleta. Assim a Vilma pode ir tranquila às compras online e o Fred se teleporta para o boliche. Iaba-daba-doo!