Política

Hoje muitos de meus amigos estranhariam que eu conversasse com eles sobre política. Bem, nem sempre foi assim. O passado era muito de contestação e até de indignação, tanto com o processo político quanto com o posicionamento da juventude frente às decisões que definem a vida de todo mundo. Imagine quando descobri que a história estava mais perto do que eu pensava e que 1989 era a primeira eleição de verdade para presidente deste país.

Depois de muita boca de urna e conversa sobre uma política limpa, ainda terminando o ginásio, me recusei a ir para a Avenida Paulista marchar com os cara-pintadas pelo impeachment do Collor. Achei que a juventude, que recentemente tinha deixado política de lado, resolveu pintar a cara e fazer uma festa política oca. Depois pensei que, sendo oca para mim, não precisava estar lá mesmo, mas que se para alguns foi importante, já foi importante.

Política e a juventude já cresceram e hoje andam mais juntas. Puros movimentos partidários evoluiram para um importante complemento voltado a mobilizar gente nova para entender política. E tem juventude que hoje sabe participar, conversar e fazer política. Melhor ainda é ver uma juventude que entende política além de políticos e governo, que pode e faz política no quintal de casa com a consciência de estar em um processo de transformação coletiva que também depende dela.

Claro que o governo e também o público são importantes. Hoje a juventude já é mais consultada para a elaboração de políticas que a influenciam. Lembro de quando ajudei na elaboração de uma coordenadoria de juventude em uma cidade de Minas Gerais há dois anos. Também observo hoje o amadurecimento de uma secretaria nacional de juventude. Muita gente está colaborando para consolidar participação e direitos do jovem.

Mas cada um fala e faz de política de um jeito. Falar em política para mim é falar dos movimentos de transformação de cada um. E esse um que se transforma faz pequenas coisas que, quando feitas por muitos, viram grandes coisas. As mudanças que realmente importam, na minha opinião, sempre aconteceram assim. A atuação do líder político é empoderada pelo suporte, consciente ou inconsciente, do coletivo. Isso faz do líder político um instrumento do processo de transformação criado e embasado por alguns. Entender que você é importante para a construção deste grupo de “alguns” é transformar a política em uma escolha, uma ação de expressar-se para o mundo.

Comentários

Renata Florentino
October 4, 2005 | 6:12 PM

falando em política
Ei Guto!
Bacana ver suas reflexões sendo compartilhadas por aqui… as antigas, as atuais e as antigas que são atuais!
Espero que isso seja o compartilhar de uma indignação que reaparece, nas suas formas sempre criativas de aparecer…
Será um momento de transformação? seu? nosso? de muitos? de todos? do mundo?
tomara que possamos sentir… e continuar compartilhando. ;)

Augusto C
October 4, 2005 | 9:22 PM

diálogo politiqueiro
Moça,
Não poderia dizer que a indignação reaparece, porque ficou tarde e eu tive que mostra-la a porta. Mas se ela não está, acertou que outra senhora acalenta-se em minha lareira. É mesmo um momento de transformação, e ela é muito bem vinda para o chá.

E se ousas pensar tens instrumento
mas pincel não faz primor
é insuficiente ter ferramenta
tens também que ousar amor