Teus filhos não são teus filhos

A versão curta de minha explicação sobre Summerhill é: um lugar onde as crianças podem ser elas mesmas.

Quando crianças já temos que lidar com nossas próprias ansiedades, medos e descobertas. Por quê ainda insistir em imprimir nelas as ansiedades de adultos?

Alguns pais são figuras tão ansiosas que colocam os filhos em uma escola onde possam controlar o que acontece de perto. Outros decidem por ensino domiciliar para estar sempre na cola da criança.

Já escrevi antes que uma das grandes críticas a Summerhill vem da crença (hoje em dia pop) de que a participação dos pais é fundamental na escola. Não acho.

Não se trata de ser contra os pais estarem na escola, mas de ser contra a criança não ter um espaço para si. A criança tem que ter um espaço livre dos pais, um espaço que seja da criança.

A poesia abaixo vem nas primeiras páginas do livro “Liberdade sem medo (Summerhill)”. Em minha interpretação ela representa muito bem os pensamentos da escola em tratar criança não como nossos pertences ou aquisições, mas como pessoas traçando seu próprio caminho.

Khalil Gibran

Teus filhos não são teus filhos.
São filhos e filhas da Vida, anelando por si própria.
Vêm através de ti, mas não de ti,
E embora estejam contigo, a ti não pertencem.
Podes dar-lhes teu amor, mas não teus pensamentos,
Pois que eles têm seus pensamentos próprios.
Podes abrigar seus corpos, mas não suas almas,
Pois que suas almas residem na casa do amanhã, que não podes visitar sequer em sonhos.
Podes esforçar-te por te parecer com eles, mas não procures fazê-los semelhantes a ti,
Pois a vida não recua, e não se retarda no ontem.
Tu és o arco do qual teus filhos, como flechas vivas, são disparados
……………………….
Que a tua inclinação, na mão do arqueiro, seja para a alegria.Kahlil Gibran

Leia mais